terça-feira, 17 de agosto de 2010

Oração a Mãe Terra



Mãe nossa, cujo corpo é a Terra,

santificado seja o teu ser

Floresçam teus jardins

Seja feita a tua vontade,

assim nas cidades como na natureza

Agradecemos a este dia,

o alimento, o ar e a água

Perdoai os nossos pecados contra a Terra,

como nós perdoamos uns aos outros.

E não nos deixes ser extintos,

mas livrai-nos da nossa insensatez.

Pois tua é a beleza e o poder,

e toda a vida, do nascimento à morte,

do princípio ao fim. Assim seja.


























quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Banho da Deusa



Banhos Ritualísticos
Os banhos ritualísticos de uma maneira geral, são rituais pagãos onde utilizamos determinados elementos da natureza, de maneira ordenada e com conhecimento de causa, com o intuito de troca energética entre o indivíduo e a natureza, afim de fornecer-lhe equilíbrio energético e mental.
Estes banhos prestam-se para limpar as energias negativas, livrar as pessoas de influências negativas, reequilibrar a pessoa, aumentar a capacidade receptiva do aparelho mediúnico, já que os chacras serão desobstruídos, enfim, tem grande importância na manutenção dos corpos.
Embora o banho utiliza-se de elementos materiais, que serão jogados sobre o corpo físico, a contraparte etérica será depositada sobre os chacras, corpo astral e aura que receberão diretamente o prana ou éter vital, bem como a parte astral dos elementos densos.
Temos algumas categorias de banhos :

Banhos de Limpeza - Esta categoria de banho, conhecido também como banho de descarga, banho de descarrego ou desimpregnação energética é o mais comum e mais conhecido. Estes banhos servem para livrar o indivíduo de cargas energéticas negativas. Conforme vivemos, vamos passando por vários ambientes, trocamos impressões com todo o tipo de indivíduo e como estamos num planeta atrasado em evolução espiritual, a predominância do mal e de energias negativas são abundantes. Todo este egrégora formado por pensamentos, ações, vão criando larvas astrais, miasmas e todo a sorte de vírus espirituais que vão se aderindo ao aura das pessoas. Por mais que nos vigiemos, ora ou outra caímos com o nosso nível vibratório e imediatamente estamos entrando neste egrégora. Se não nos cuidarmos, vamos adquirindo doenças, distúrbios e podemos até sermos obsediados.
Há dois tipos de banhos de descarrego:
Banho de Sal Grosso - Este é o banho mais comumente utilizado, devido à sua simplicidade e eficiência. O elemento principal que é o sal grosso, é excelente condutor elétrico e “absorve” muito bem os átomos eletricamente carregados de carga negativa, que chamamos de íons. Como, em tudo há a sua contraparte etérica, a função do sal é também tirar energias negativas aderidas no aura de uma pessoa. Então este banho é eficiente neste aspecto, já que a água em união como o sal, “lava” todo o aura, desmagnetizando-o negativamente.
O preparo deste banho é bem simples, basta, após um banho normal, banhar-se de uma mistura de um punhado de sal grosso, em água morna ou fria. Este banho é feito do pescoço para baixo, não lavando os dois chacras superiores (coronal e frontal).
O porquê de não poder lavar os chacras superiores, está ligado ao fato de serem estes chacras ligados à coroa da pessoa, tendo que ser muito bem cuidada, já que é o elo de ligação, através da mediunidade, entre a pessoa e o plano astral superior.
Após o banho, manter-se molhado por alguns minutos (uns 3 minutos) e enxugar-se sem esfregar a toalha sobre o corpo, apenas secando o excesso de umidade.
Algumas pessoas, neste banho, pisam sobre carvão vegetal ou mineral, já que eles absorverão a carga negativa.
Este banho é apenas o banho introdutório para outros banhos ritualísticos, isto é, depois do banho de descarrego, faz-se necessário tomar um outro banho ritualístico, já que além das energias negativas, também descarregou-se as energias positivas, ficando a pessoa desenergizada, que só é conseguido com outro tipo de banho.
Este banho, não deve ser realizado de maneira intensiva (do tipo todos os dias ou uma vez por semana), pois ele realmente tira a energia do aura, deixando-o muito vulnerável.
Existem pessoas que usam a água do mar, no lugar da água e sal grosso.
Banho de Descarrego com Ervas - Este banho é mais complexo e menos conhecido do que o de sal grosso. A função deste banho é a mesma que a do sal grosso, só que tem efeito mais duradouro e conseqüências maiores. Quando uma pessoa está ligada à uma obsessão e larvas astrais estão ligadas a ela, faz-se necessário um tratamento mais eficaz. Determinadas ervas, são naturalmente descarregadoras e sacodem energeticamente o aura de uma pessoa, eliminando grande parte das larvas astrais e miasmas. Algumas ervas que são muito boas para este banho : arruda, guiné, espada de São Jorge, aroeira, folhas de fumo, etc.
Banho de Defesa - Este banho serve de manutenção energética dos chacras, impedindo que eles se impregnem de energias nocivas em determinados rituais. Por exemplo, quando vamos realizar alguma oferenda numa cachoeira, é importante que nos “fechemos” para determinadas vibrações que podem estar abundantes num sítio energético, já que além de nós, todo o tipo de pessoa vai até estes lugares para pedidos escusos, com entregas “pesadas”.
Usamos, também, quando vamos conhecer algum local ou pessoa novas e não sabemos se ele é ou nãoprejudicial a nós. A melhor prática e estudar o banho de proteção para cada situação específica, seguindo algum herbolário confiável, mas seguem aqui alguns exemplos de banhos de defesa genéricos:
Banho de Café - Este banho afasta as energias negativas, reenergiza, acaba com pesadelos e com a mania de perseguição, desde que tomado com fé, rezando antes e depois para seu guardião em especial. Acenda uma vela branca para a Deusa no início do banho e deixe queimar até o fim.
Ingredientes:
3 xícaras de café bem forte em
5 litros de água.
Vela branca
Banho de Alecrim - Este banho afasta as energias negativas, reenergiza, acaba com pesadelos e com a mania de perseguição, desde que tomado com fé, rezando antes e depois para os anjos e para o seu em especial. Acenda uma vela branca para a Deusa no início do banho e deixe queimar até o fim.
Ingredientes:
3 punhados de sal marinho em
5 litros de água
Alecrim ou eucalipto
Banho Forte - Banho muito poderoso e lietaralmente deixa o corpo fechado para qualquer influência negativa. Coloque na água o sal e o vinagre. Depois tome outro banho para se reenergizar com: alecrim, arruda, alfazema, ou café com leite e chocolate...
Ingredientes:
3 colheres de sopa de sal grosso,
2 xícaras de vinagre branco,
5 a 6 litros de água.
Alecrim
Arruda
Alfazema
Café com leite e chocolate
Banho contra parasitas - Este banho afasta as energias negativas trazidas por problemas nossos e alheios, pela presença de pessoas de baixa freqüência vibratória e por nossos pensamentos negativos. Como sempre, depois de algumas horas, se faz necessário um banho reparador que pode ser de camomila, erva-doce e cidreira, ou um banho de alecrim...
Ingredientes:
7 dentes de alho roxo, ou claro inteiros e frescos,
2 colheres de sopa de tomilho,
igual quantidade de sálvia seca,
a mesma porção de manjericão seco,
7 litros de água,
1 colher de sopa de sal marinho.
Camomila
Erva-cidreira
Erva-doce
Alecrim
Banho de Energização - Após tomarmos um banho de descarrego, é importante que restabelecemos o equilíbrio energético, através de um banho de energização. Este banho reativa os centros energéticos e refaz o teor positivo do aura. É um banho que devemos usar quando vamos trabalhar normalmente em giras de direita, ou mesmo, após uma gira em que o ambiente ficou carregado.
Também, podemos usá-lo regularmente, independente se somos ou não médiuns.
Um bom e simples banho : pétalas de rosas brancas ou amarelas, alfazema e alecrim. A receita a seguir e um dos mais populares banhos de energização:
Banho de Ervas - Este banho nos livra dos males e, ao mesmo tempo, reenergizam. Se as folhas estiverem frescas, macere-as e coloque-as na água quando ela estiver fervendo e apague o fogo. Se estiverem secas, deixe em infusão.
Ingredientes:
Alecrim,
Alfazema e
Arruda

Preparação dos Banhos
Em todos os banhos, onde se usam as ervas, devemos nos preocupar com alguns detalhes. Leia com atenção as indicações a seguir para ter a certeza de um banho eficaz.
A colheita deve ser feita em fases lunares positivas, devido a abundância de prana.
Ao adentrar numa mata para colher ervas ou mesmo num jardim, saudamos sempre os deuses responsável pelas folhas (no Candomblé é um Orixá, mas pode ser considerado como um ser encantado, com responsabilidades e atuações limitadas).
Antes de colhermos as ervas, toquemos levemente a terra, para que descarreguemos nossas mãos de qualquer carga negativa, que é levada para o solo.
Não utilizar ferramentas metálicas para colher, dê preferência em usar as próprias mãos, já que o metal faz com que diminua o poder energético das ervas.
Normalmente usamos folhas, flores, frutos, pequenos caules, cascas, sementes e raízes para os banhos, embora dificilmente usamos as raízes de uma planta, pois estaríamos matando-a
Colocar as ervas colhidas em sacos plásticos, já que são elementos isolantes, pois até chegarmos em casa, estaremos passando por vários ambientes
Lavar as ervas em água limpa e corrente
Os banhos ritualísticos, devem ser feitos com ervas frescas, isto é, não se demorar muito para usá-las, pois o prana contido nelas, vai se dispersando e perde-se o efeito do banho
A quantidade de ervas, que irão compor o banho , são 1 ou 3 ou 5 ou 7 ervas diferentes e afins com o tipo de banho. Por exemplo, num banho de defesa, usamos três tipode de ervas (guiné, arruda e alecrim).
Não usar aqueles banhos preparados e vendidos em casas de artigos religiosos, já que normalmente as ervas já estão secas, não se sabe a procedência nem a qualidade das ervas, nem se sabe em que lua foi colhida, além de não ter serventia alguma, é apenas sugestivo o efeito.
Alguns banhos, são feitos com água fria e as plantas são masceradas com as próprias mãos e só depois, se for o caso, adicionar um pouco de água quente, para suportar a temperatura da água.
Banhos feitos com água quente, devem ser feitos por meio da abafação e não fervimento da água e ervas, isto é, esquenta-se a água, até quase ferver, apague o fogo, deposite as ervas e abafe com uma tampa, mantenha esta imersão por uns 10 minutos antes de usar. Alguns dizem que a água quente não é eficiente para um banho, mas esquecem que o elemento Fogo, também faz parte dos rituais. A água aquecida “agita” a mistura, liberando o prana das ervas.
Acender uma vela para a Deusa e manter-se em meditação e concentração, já que se está realizando um ritual.
Os banhos devem não devem ser feitos nas horas abertas do dia (06 horas, 12 horas ou meio-dia, 18 horas e 24 horas ou meia-noite), pois as horas abertas são horas “livres” onde todo o tipo de energia “corre”. Só realizamos banhos nestas horas, normalmente os descarregos com ervas, quando uma entidades prescrever (normalmente um exu).
Não se enxugar, esfregando a toalha no corpo, apenas, retire o excesso de umidade, já que o esfregar cria cargas elétricas (estática) que podem anular parte ou todo o banho.
Embora todo o corpo será banhado, a parte da frente do corpo é que devemos dar maior atenção, já que estão as “portas” dos chacras, além da parte frontal possuir uma maior polaridade positiva, que tem propriedades elétricas de atrair as energias negativas e que são eliminadas com o banho, recebendo carga positiva e aceleradora.
Após o banho, é importante saber desfazer-se dos restos das ervas. Aquilo que ficou sobre o nosso corpo, nós retiramos e juntamos com o que ficou no chão. Colocamos tudo num saco plástico e despachamos aquilo que é biodegradável, em água corrente.

                    


terça-feira, 10 de agosto de 2010

Within Temptation - Mother Earth

Mother Earth
Birds and butterflies
Rivers and mountains she creates
But you'll never know
The next move she'll make
You can try
But it is useless to ask why
Cannot control her
She goes her own way
She rules
Until the end of time
She gives and she takes
She rules
Until the end of time
She goes her own way
With every breath
And all the choices that we make
We are only passing through
On her way
I find my strength
Believing that your soul lives on
Until the end of time
I'll carry it with me
She rules
Until the end of time
She gives and she takes
She rules
Until the end of time
She goes her own way
Once you will know my dear
You don't have to fear
(You don't have to fear)
A new beginning
Always starts at the end
Once you will know my dear
You don't have to fear
Until the end of time
(Until the end of time)
Until the end of time
(Until the end of time)
Until the end of time
She goes her own way
She rules
Until the end of time
She gives and she takes
She rules
Until the end of time
Until the end of time
Until the end of time
She goes her own way



Mãe Natureza
Pássaros e borboletas
Rios e montanhas ela cria
Mas você nunca saberá
O próximo passo que ela vai dar
Você pode tentar
Mas é inútil perguntar por que
Não pode controlá-la
Ela segue seu próprio caminho
Ela governa
Até o fim dos tempos
Ela dá e ela tira
Ela governa
Até o fim dos tempos
Ela segue seu próprio caminho
Com cada suspiro
E todas as escolhas que nós fazemos
Nós apenas estamos atravessando
O caminho dela
Eu encontro minha força
Acreditando que sua alma se mantém viva
Até o fim dos tempos
Eu levarei isso comigo
Ela governa
Até o fim dos tempos
Ela dá e ela tira
Ela governa
Até o fim dos tempos
Ela segue seu próprio caminho
Uma vez você souber, meu querido
Você não tem de temer
(Você não precisa temer)
Um novo começo
Sempre inicia-se no fim
Uma vez você souber, meu querido
Você não tem de temer
Até o fim dos tempos
(Até o fim dos tempos)
Até o fim dos tempos
(Até o fim dos tempos)
Até o fim dos tempos
Ela segue o seu caminho
Ela governa
Até o fim dos tempos
Ela dá e ela tira
Ela governa
Até o fim dos tempos
Até o fim dos tempos
Até o fim dos tempos
Ela segue seu próprio caminho

Fases da Lua

As fases da Lua são muito importantes porque estão relacionadas a vários fenômenos naturais e à vida aqui na Terra. Influenciando desde os movimentos das placas tectônicas, capazes de causar terremotos, até o ritmo de desenvolvimento das plantas, passando pelas variações e ciclos hormonais, o crescimento dos cabelos ou a intensidade das marés, a Lua é o astro mais próximo de nós.

Lua Nova - Os ciclos lunares têm início na Lua Nova, quando o nosso satélite não pode ser visto no Céu. Esta é uma fase da Lua propícia para você começar qualquer atividade, como diz o próprio nome, “nova”. Trata-se de um momento fértil, pedindo que você plante sementes que irão germinar e se desenvolver ao longo do ciclo lunar, que dura entre 28 e 29 dias.
A Lua Nova é excelente para dar a partida em um projeto ou empreendimento, comprar alguma coisa importante ou começar um relacionamento ou sociedade. É um ótimo período para se dar início a uma atividade física ou curso que passará a fazer parte da sua rotina. Cortar os cabelos na Lua Nova faz com que eles cresçam mais rapidamente.


Lua Crescente - A fase seguinte é a Crescente. Ela pede que você dê um gás a mais naquilo que foi começado na Lua Nova, pois já nos encontramos em um outro momento, que pede um investimento mais decidido e a reafirmação do compromisso iniciado na fase anterior. As coisas ficam mais claras e passam a se desenvolver mais depressa, sendo que ainda vale a pena dar início a um projeto novo, mas que tenha sido bem planejado, sem correria. Ações pontuais e reparos que precisem funcionar rápido fluem mais facilmente.
Se você está querendo divulgar alguma coisa, este é um período benéfico, pois o público tende a se mostrar mais receptivo. São indicadas, por exemplo, podas em plantas, que passam a crescer mais fortes e depressa, assim como os cabelos, quando cortados.



Lua Cheia - A Lua Cheia marca um período de culminância do ciclo lunar, sendo também muito importante. Aponta para o auge da situação começada na Lua Nova, um verdadeiro clímax, remetendo à ideia de “transbordamento”. Não à toa, as emoções ficam mais intensas, assim como os fluxos hormonais. Os sentimentos poderão se mostrar mais à flor da pele.
A fase cheia é positiva para os relacionamentos pessoais e eventos que necessitem da presença do público. Festas, por exemplo, tendem a ficar mais cheias e animadas. Você poderá se sentir mais elétrico, ansiando por movimentação e excitação. Como a temperatura está mais “quente”, é preciso atenção para não agir de forma descuidada ou deixar que o sangue suba à cabeça. O corte de cabelo faz com que ele cresça mais cheio e forte.



Lua Minguante - Quando estamos na Lua Minguante, o ciclo lunar começa a se preparar para o seu fim. Ela pede que você comece a encerrar aquilo que iniciou na Lua Nova, ou prepará-lo para uma nova etapa quando a lunação seguinte chegar. Valerá a pena meditar sobre o desenvolvimento e os resultados obtidos até então, deixando para trás o que não serve mais ou não funcionou. Em suma: finalizar.
Trata-se de um momento de maior desapego, ideal para dar a alguém ou jogar fora aquilo que está no seu armário há tempos e não vem sendo utilizado. Ideal para começar regimes e dietas, pois o peso extra é algo do qual você poderá se livrar mais facilmente. Fora isso, não é bom começar nada durante a Lua Minguante. O cabelo cortado nesta fase lunar irá crescer mais fino e lentamente.
A sintonia com o ritmo da Lua é algo que sempre esteve presente em todas as culturas e sociedades humanas, e só mais recentemente é que as pessoas vêm se mostrando mais distantes do passo lunar. Comece a perceber mais atentamente a vibração da Lua e veja o quanto uma série de coisas passa a fazer mais sentido, trazendo sensação de plenitude nas relações, nos projetos e na integração aos ambientes. Num sentido mais amplo, um representa um vínculo maior com o próprio cosmo.

Aproveite a Lua Nova que começa nesta terça-feira, dia 10 e desde já vibre no ritmo do ciclo lunar!

(Biografia:Dimitri Camiloto é astrólogo do Estrela Guia)












segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Wicca Alexandrina

A wicca neo-pagã tem muitas tradições e uma das suas muitas tradições é a Wicca Alexandrina, que foi fundada por Alex Sanders (que é considerado o rei de todas as bruxas). Em 1960, Sanders e sua esposa, introduziram essa tradição no Reino Unido. Aqueles que conhecem as diversas tradições dessa religião vai perceber que é Wicca Alexandrina, de várias maneiras, como a Wicca Gardneriana e também tem sido mencionado em muitos dos livros que têm sido dedicados a esta religião. A Wicca Alexandrina tem sido influenciada pela Wicca Gardneriana e possui também elementos da Cabala e da magia cerimonial.

O nome que é usado para se referir a esta tradição foi derivado do nome de Sander e também de uma biblioteca de ocultismo muito antiga em Alexandria. Este nome foi sugerido por um dos estudantes, chamado Stewart Farrar, da Alex Sanders quando ele perguntou que nome dar as bruxas, que eram membros do coven, como seriam chamados. Depois de discutir isso por algum tempo, Farrar surgiu com o nome de Alexandrina e, felizmente, tanto Sanders quanto e sua esposa gostaram do nome por isso decidiram usá-lo. Segundo a esposa de Sanders, antes do nome ser selecionado, os membros estavam felizes de serem chamados de bruxos.

A Wicca Alexandrina pode ter se originado no Reino Unido, mas é praticado por pessoas neste país, bem como outros países, como Estados Unidos e Canadá. Conforme a Enciclopédia Mystica, esta tradição não se tornou tão popular como outras tradições da Wicca, tais como a tradição Gardneriana, como resultado da publicidade negativa de Alex Sanders. Na década de 1980, nem mesmo um único coven Alexandrino dos Estados Unidos teve qualquer vínculo com opróprio Alex Sanders.

Assim como a maioria das práticas tradicionais da Wicca, a Wicca Alexandrina insiste na divisão de gênero. Você será capaz de ver isso nos rituais que são realizados pelas bruxas e esses rituais, o foco é sobre a relação entre a Deusa e o Deus.

Se você comparar a Wicca Alexandrinaa Gardneriana Wicca, você vai achar que a tradição antiga é mais eclética, de certa forma. O elemental e nomes de divindade, bem como as ferramentas que são usadas nos rituais são muito diferentes das da Wicca Gardneriana. Os rituais que são realizados pelos seguidores dessa tradição incluem práticas cerimoniais que são derivados de magia Enoquiana e Cabala Hermética. Quando se trata de Wicca Alexandrina, a importância é dada ao treinamento. Além disso, a nudez ritual ou prática Skyclad não é necessária porque esta é uma opção facultativa dos seguidores da tradição.

Os covens ou grupos que seguem esta tradição se encontra em uma base regular durante os sabás e os festivais da Wicca, a lua cheia e a lua nova.

Segundo os seguidores da Wicca Alexandrina, só uma bruxa tem o poder de fazer uma outra bruxa. Eles acreditam neste forte e este tipo de crença por esta tradição ser semelhante aos das outras tradições da Wicca. Existem três graus de níveis de iniciação na Wicca Alexandrina e estes são de primeiro grau, segundo grau e terceiro grau. Somente as bruxas que pertencem ao segundo e terceiro graus estão em posição de iniciar novas bruxas na Wicca. Uma bruxa que obteve um terceiro grau pode ser chamada de sacerdotisa ou um sacerdote.












quarta-feira, 4 de agosto de 2010

A Lua Minguante

A Lua Minguante representa a face Anciã da Deusa. Ceridwen, a Deusa Tríplice, é quem a representa. Esta Deusa contêm as três fases da mulher: nascimento, juventude e morte ou velhice.
A fase minguante da lua indica o ciclo lunar completado.
Nesta lua se desperta a sabedoria; é o tempo da desintegração de algumas idéias antigas. Esta lua nos leva ao movimento de introspecção e recolhimento.
Representa o período da menopausa nas mulheres em que devemos tornar-nos mais pacientes e nossos atos não são mais tão impulsivos.
Representa a velha bruxa, a mais temida. Nesta fase entramos no mundo das sombras, regidas por Lilith e Hécate, mundo do qual poderemos surgir muito mais fortes e conscientes se o vivermos como reflexão e aprendizagem de magia.
É um tempo para refletir, não para fazer feitiços porque eles minguarão junto com a lua, é um período para se preparar para começar tudo de novo, porém com mais sabedoria.

ACABAR COM AS ESPINHAS

Numa noite de Lua Minguante,descasque 1 pepino grande e corte-o em rodelas bem finas.
Espalhe-as pelo rosto e sobre elas coloque uma fralda umedecida com água morna deixando o nariz e a boca descobertos.
Deite-se em um local bem tranquilo para que a máscara faça efeito.
Enquanto descansa, mentalize uma luz verde saindo da Lua e chegando até você, limpando o seu rosto e a livrando das espinhas.
Quando se sentir relaxada e envolvida pela luz, levante-se e retire a máscara
com água fria e sabonete neutro.
Jogue os pepinos no lixo e reutilize a fralda como de costume depois de lavá-la..



 ELIMINAR A CELULITE

Na Lua Minguante, pegue uma vasilha de plástico pequena e descartável.
Dentro dela, coloque 5 colheres (sopa) de mel, meio copinho de iogurte natural e 5 colheres (sopa) de óleo de semente de uva.
Mexa até formar uma pasta.
Depois, passe essa mistura nas pernas e no bumbum, massageando bastante. Deixe agir por 30 minutos.
Retire o preparado do corpo num banho morno, usando sabonete neutro.
Lave bem a vasilha e a use somente para fazer essa magia caso não queira mais repetí-la, jogue no lixo.



Se terminou algum relacionamento afetivo na lua minguante, saiba que foi para melhor, já que o poder da lua nesta fase ajuda a se livrar das coisas que já não servem. Isto não quer dizer que as pessoas sejam ruins, mas que uma das duas não estava em sintonia com o relacionamento. Agradeça ao poder desta fase da Lua acendendo uma vela branca e coloque uma flor branca do lado. Ao terminar a vela leve a flor branca a um jardim e peça aos elementais da natureza que lhe tragam um amor melhor.








terça-feira, 3 de agosto de 2010

Imbolc



Este final de semana comemoraremos a roda Celta (hemisfério Sul) Oimelc, segue informações sobre a Deusa que cultuamos nessa data.Ricardo DRaco -
Bruxaria Tradicional Ibero-Celta

- Filha de Dagda , Briga é conhecida por diversos nomes e em diversas localidades da Europa :Bride (Noiva), Bridey, Brighid, Brigit ("A Exaltada", "A Luminosa", "Raça Pronunciada" ), briggidda e Brigid."
Sendo uma divindade solar, seus atributos são a Luz, a inspiração e todas as habilidades associadas ao fogo, ela é a benfeitora da cura interna, fertilidade e da energia vital.
Briga também é retratada com três faces e isso reflete a trindade de ofício ou três poderes, sendo:
* A sabedoria, poesia e inspiração divina (Awen).
* A Cura, as artes divinatórias e a profecia.
* O ofício dos ferreiros e atividades ligadas ao sagrado fogo da forja.
Um dos seus nomes mais antigos é Breo-Saighead (que significa "Flecha de Fogo", "Flecha Certeira", "Seta Brilhante", "Seta Impetuosa") e nisso está contido o seu atributo de Justiça Divina, pois Brigit também está ligada às Leis.
Ela também está relacionada à União, pois se casou com um Fomorian (Tribo inimiga da Tribo de Dannan) e por algum tempo a paz foi presente entre esses povos. Quando seu filho foi morto em batalha, ela foi até o campo lamentar a sua morte. Este fato ficou conhecido como o primeiro caoine (keening = grito desesperador) que segundo as tradições foi um lamento terrível ouvido por toda a Irlanda, algo carregado de tamanha tristeza que seu som era por demais doloroso e assustador para ser ouvido. Seu culto é conhecido em toda a Europa, unindo várias tribos que muitas vezes eram inimigas em adoração a ela.
Como patrona da poesia, filidhecht, ela é a fonte da inspiração e sabedoria ao qual os bardos acessam. Ela é a própria Chama (fogo inspirador), que acende a luz na alma para que a centelha divina se manifeste, e dessa forma as Artes se manifestavam, tanto para a arte artesanal como para a arte poética, as tão temidas poesias que detinham poder, como encantamentos. Sabiam como, quando e de que forma usar as palavras e as moldavam, como uma escultura, uma essência que ganhava forma e tanto poderia ser uma forma de afago ou uma arma. É a mantenedora da cultura, do aprendizado e da sabedoria.
O Festival que presta honrarias a ela é Imbolc (oi-melc: lactação ou leite de cabra), estando associado à Lactação das ovelhas e cabras (alimento sagrado para os celtas, pois representa a pureza), a purificação por água de fonte (os poços, nascentes e rios também lhe são sagrados), ao nascer, ao início e à chegada da primavera. Portanto ela também é reconhecida como uma Deusa Iniciadora, pois esse é o período em que o inverno se vai e a vida novamente começa a brotar. Apesar dela ser uma deidade extremamente abrangente, nesse festival ela é honrada enquanto Mãe, aquela que provê o alimento para a Tribo.
Existem inúmeras histórias que citam poemas escritos pelo Bardo Taliesin e inspirados por Briga, inclusive uma história do século XII sobre uma Cosmologia Tradicional.
Hoje ela é vista na Bretanha como uma Guerreira, e seus soldados são chamados de Brigantes.
Existem inúmeros textos sobre ela, mas a grande maioria com dados católicos, e que tornam obscuros os abrangentes aspectos que ela possui.
(Fonte: http://www.arvoresagrada.hd1.com.br/Mitologia_briga_dir.htm_briga_dir.htm)




2. Oimelc - Ritual Celta


Enviado por: "Ricardo" asla_bt@yahoo.com.br asla_bt


Oimelc, que é denominado alternativamente Imbolg ou Imbolc, é uma festivadade que marca os portais da primavera. Festival pagão de origem celta associado com a deusa Bríg ou BrigA (origem continental) , que depois foi cristianizada como Santa Brigid.
No hemisfério Norte é cultuado na data aproximada de 1 ou 2 de Fevereiro, porém no Hemisfério Sul sua data migra para os primeiros dias de agosto.
Na sequência da conversão da Irlanda ao cristianismo no século 5, Imbolc sobreviveu na memória popular medieval em pelo menos, quando foi apresentado em vários contos mitológicos, tais como a Emire Tochmarc do Ciclo do Ulster , embora com pouca compreensão do seu propósito original. Oimelc é um dos quatro festivais da mitologia celta, sendo os outros Beltane , Lughnasadh e Samhain , de base pan-celta e da Idade do Ferro.
Na Escócia, o festival é também conhecido como La Fhèill Brighde, na Irlanda, como La Fhéile, e no País de Gales existe um festival similar, y Gwyl Canhwyllau.
Bríg é patrona da poesia filidhecht, equivalente a sabedoria bárdica, é a mantenedora da primaria da cultura e do aprendizado.
Bríg também é a deusa dos médicos e dos curandeiros, da divinação e da profecia, um dos seus nomes mais antigos é Breo-saighead que significa "Flecha de Fogo". ela é conhecida em todas as terras gaélicas com algumas variações para o mesmo noem como Brid, Bride, Brigid, Brigidh etc. sendo alguns destes mais largamente conhecidos.Essas diferenças são o resultado da existência de dialetos diferentes de uma mesma língua.
"Sgeulachdan Gaidhealach" , ou contos gaélicos que continuam a serem contados no cohecimento popular das costas e das colinas. "Brighid bhoidheach". Bride a Bela, não é rara em canções e hinos sazonais,onde seus sinais são vistos ao longo das praias cinzas, nas trilhas dos prados, no sulco dos vales, no caminho da costa branca, os moradores da ilha sabem o ano novo se revela enfim,que o alimento, calor e felicidade estão saindo do sul.Em toda parte Ela é honrada nesse momento.Am fheill Bride era até recentemente um festival de alegria ao longo do oeste , das regiões montanhosas da Escócia até a mais estreita faixas de praia da Barra os de Lews, nas áreas montanhosas mais remotas da Escócia e nas Ilhas ainda continua sendo.
A associação de Bríg, a Filha da Manhã , que em uma mão segurava o sol nascente como uma pequena chama amarela e em outra mão segurava a flor vermelha do fogo. Eles se referem Àquela que os bardos e cantores reverenciam como senhora de suas habilidades. Ela cujo fôlego é uma chama e cuja chama é canção, a quem cada poeta, do mais humilde cantor errante á Oisin das Canções, de Oisin das Canções à Angus Og no arco-íris ou Midir do Mundo Subterrâneo era abençoado devido a chama que Ela colocara no coração dos poetas assim como a vida vermelha que ela colocara na chama que brota da lenha e da turfa.
Sem esquecer que Ela é filha do ancestral Deus da Terra,porém maior que Ele,pois nele não há mais que terra e água, enquanto nas veias dela correm o ar e o fogo. E não se pode esquecer que a qualquer momento que queira, Ela pode se inclinar aos mortos e seu sopro pode vivificar, e o pulso voltar ao coração e o que era pó pode se erguer e ser feliz mais uma vez. Sim, a Formosa Mulher de Fevereiro ainda é reverenciada.
Na noite desse dia santo, Bride é convidada pra dentro de casa, velas são benzidas.Divinaçõ es são feitas nessa ora.Essa é a estação em que os cordeiros nascem. De Samhain à Imbolg considerava- se o inverno.
Existem poucas horas de dia claro pra se trabalhar no lado de fora,então a família passava o tempo ao redor da fogueira que era a fonte de sua luz, calor e comida quente. A lareira foi o ponto de abertura para o seannachaidh (contador de história) que, com a inspiração do fogo, contava histórias de seu povo.O fogo sagrado é fortemente associado a Bride.Seu nome traduz-se "flecha ígnea".Um de seus aspectos é o de Deusa da Poesia e é Ela a "chama de inspiração".Outro termo dado a Bride é "chama no coração de toda mulher".Isso mostra a absoluta autoridade da mulher na casa.Imbolc era um festival de fogo somente para os pertencentes á casa.
Grande cuidado era dado a manutenção do fogo nessa noite, quando uma
haste de sorveira braba era colocada no coração da fogueira.Na manhã seguinte, antes do raiar completo do sol, o fogo era checado em busca de sinais das bênçãos Dela.O sinal em questão era uma figura que se parecesse com um cisne ou ganso.Se a marca fosse encontrada, um tempo de extrema boa-venturanç a se seguiria pra aquela família.
As associações de Bride com gansos e cisnes são também encontradas nos encantamentos de Carmina Gadelica de Alexander Carmichael.O Idioma da Deusa de Maria Gimbutas é uma ajuda pra tentar entender o significado da Deusa Pé de Pássaro.(Bird Foot Goddess).
Uma variação desse costume é achada na Escócia,na noite do Dia de Santa Brigit.Lá as mulheres da casa vestem um feixe de aveia com roupas de mulher.Elas deitam a boneca numa cesta chamada de Cama de Brigit próxima a um porrete fálico.Então elas gritamm três vezes "Brid chegou,Brid é bem-vinda!" e deixam velas queimando no altar de suas casa a noite toda.Na manhã seguinte elas procuram uma impressão do porrete nas cinzas da lareira.Numa outra versão, se o sinal estiver lá ela,significa que o ano será próspero e frutífero.Um costume similar é encontrado também na Ilha de Man e é chamado Laa'l Breeshey.
É comum a Irlanda encontrar pessoas fazendo cruzes de Santa Brigid de palha o junco.Isso parece ser "derivado de uma cerimônia pré-cristã relacionada com a preparação das sementes para crescerem na Primavera"(The Irish Times,1º de fevereiro,1977) .É parte do costume ancestral chamar La/Fhe/ile Brid.Começa com uma coleção de juncos.Eles estão juntos e à meia noite a pessoa designada à carregar os juncos cobre suas cabeças, então os leva pra porta e bate.A Bean na Tighe (mulher da casa) manda alguém abrir a porta.Quando quem carrega os juncos entra, a Bean na Tighe diz a eles "Fáilte leat a Bhrid".Ma era modern, a personagem responde `Beannacht Dé ar daoine na tighe seo" (Deus abençõe as pessoas dessa casa).As pessoas da casa então começam a fazer as cruzes no mesmo formato das "Cruzes Celtas" .Uma vez que o Sol para os Celtas e Gaélicos ancestrais era feminino (a luz era masculina), nós salientar que esse símbolo solar de cruz de junco era um ímbolo de Brid em si. Juncos não usados eram enterrados.Depois que os juncos eram feitos, a família festejava.
No dia de Imbolg, as cruzes feitas no ano passado são queimadas e as novas eram penduradas pela casa e em outros lugares da família.
Elas são queimadas mas jamais empregadas casualmente ou diferente fim
profano.É muito com achar poços com a marca Dela.Como nos outros festivais, é comum achar pedaços de roupas ou peças inteiras atadas ás árvores próximas deles depois do festival.Um pedaço de weather lore das terras Gaélicas conta assegura que lavar roupa durante o Imbolg trás mal augúrio (mais inverno) enquanto roupas inclement (severas,duras? ) mostravam que o inverno acabou.Todos dizem que esta é um festival onde o clã ou família se reúne à lareira para festejar.(Fonte:www.arvoresagrada.hdl.com.br)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...